9 Comentários

  1. Magda

    Sidney:o seu texto foi bem claro em definir a verdadeira amizade,que tem como base o Amor gratuito e onde está presente o Espírito Santo.

    Responder
  2. João Paulo

    Caro Sidney. Parabéns pelo trabalho. Ficou muito bem escrito.
    Penso que, o tema proposto é muito pertinente.
    Tendo em vista a realidade atual, vivemos num mundo materialista, onde o ser humano é guiado pelo interesse, sua ações caminham neste viés. Diante disto, uma pergunta nos inquieta: será possível a amizade verdadeira? Uma amizade que não seja motivada pelo interesse: pelas qualidades, pelo cargo social, pela beleza, pelo que o outro tem e o que ele pode nos dar?
    Tendo em vista a proposta de Agostinho, somente depois de ter alcançado o conhecimento de Deus é possível vislumbrar uma amizade verdadeira. Paresse-nos que, na realidade atual, a resposta toma força na direçaõ negativa, sendo que o homem, após a “morte de Deus” – com a modernidade, não tem mais a pretensão de conhecer a Deus, mas simplesmente conhecer a si mesmo e sua vida existencial. Logo, se naõ há uma relação com Deus, se não há um conhecimento de Deus, também não existirá uma amizade verdadeira.

    Responder
  3. Carolina Azevedo Carvalho

    Querido Sidney, esse trabalho ficou realmente enriquecedor, por incentivar a reflexão sobre temas caros como a amizade e os relacionamentos humanos sob a ótica das experiências vividas por Santo Agostinho. Como dom de Deus, a amizade não tem espaço nos relacionamentos que se fecham a Ele, uma vez que a força da Sua graça é que torna possível ao homem ter em seu comportamento as genuínas virtudes, de onde nasce a verdadeira e santa amizade. E isso é perceptível nos relacionamentos até o tempo presente.

    Responder
  4. Ana Christina Guimarães

    Sidney,
    Gostei do seu artigo! Parabéns!
    Acredito que a cariadade é a porta de entrada para sermos realmente cristãos, ou seja, aqueles que acreditam em Cristo. Acredito também que de nada adiantará ações virtuosas sem o real sentimento de caridade e compaixão pelo outro, independente do que o outro seja ou do que ele faça.
    Mais uma vez, parabéns!
    Abraços,
    Ana

    Responder
  5. Daniel Higino

    Olá Sidney,
    seu artigo está muito bem feito. A leitura flui, demonstra profundo conhecimento sobre o autor. A respeito da superação dos afetos desordenados de Agostinho e da amizade alicerçada na caridade torna-se caminho lúcido e atual. Contudo, amizade contemplativa dá-me a impressão de amor platônico. Funciona no mundo das idéias, mas suspeito da sua eficácia. Parabéns, minha crítica vai para o autor do seu artigo. Quanto a ti, continue desenvolvendo excelentes artigos como esse publicado.
    Abraços,
    Daniel Higino

    Responder

  6. Caro Sidney,
    O tema da amizade sempre instigou pensadores de diversas épocas. A abordagem feita por Santo Agostinho difere bastante das demais, por causa da sua perspectiva filosófico- teológica. Creio que a relação com Deus qualifica não somente os relacionamentos humanos, mas também nos ajuda a repensar a nossa postura diante das coisas. O homem não foi criado para ser dominado pelos objetos (como acontece hoje), mas para dominá-los e usá-los para surprir suas carências e necessidades e praticar a solidariedade. No que tange aos relacionamentos interpessoais, eles não podem ser de cunho possessivo (típico dos relacionamentos objetivos), mas devem ter caráter oblativo. Posse se refere a coisas, amor- ablação se refere a pessoas. Neste sentido, a perspectiva da fé cristã pode iluminar muito a relação interpessal, tendo Jesus Cristo como modelo de humanidade e de autêntica amizade.
    Sidney, o seu texto está muito bem escrito: você expôs o conteúdo de forma clara, bem fundamentado nos escritos do próprio Agostinho e de comentadores. Isso revela que você tem domínio do conteúdo e do autor em questão. Parabéns!

    Pe. Edmar José

    Responder
  7. Sergio Neves

    Sidney,

    Muto bom o seu texto, muito bem escrito. Esta questãop da verdadeira amizade é muito interessante e intrigante, pois, muitas vezes elas se formam quando há interesses convergentes entre as pessoas e muitas vezes , acabando esta convergência, acaba-se a amizade, uma vez que a amizade se baseava em interesses e não nas pessoas e também não tinha por modelo o amor de DEus por nós. Parabéns pelo texto.
    Sérgio

    Responder
  8. geralda da purificação gomes

    Sidney,
    Você foi iluminado por Deus, pois o texto esta bem escrito, a amizade deve ser verdadeira sem interesse, é ver o amigo(a) com com os olhos da fé. O amor e a caridade devem ser sempre um elo de união das pessoas , sabemos que se não tivermos verdadeira caridade com o próximo com podemos amar a Deus. Você soube expressar bem muito bem o que é a caridade e o amor infinito de Deus, isto mostra a sua capacidade de ver, agir e pensar.
    Parabéns que Deus o ilumine sempre.
    Geralda

    Responder
  9. Frei Geraldo Magela (Eremita Orionita)

    Querido amigo Sidney
    Posso dizer que o tema tratado por você foi muito bem elaborado e fundamentado em pensadores ilustres como Agostinho. É um tema que está em voga, e sobretudo nas redes sociais quando muitas vezes todos se referem aos demais como amigos, mas sabemos que nem sempre se trata de uma verdadeira amizade. O tema tratado por você, nos abre um horizonte para constatarmos o valor da amizade em Deus e nos dá a segurança de que como diz Santo Agostinho: “Amando os amigos em Deus nada se perde, porque Deus não muda” .
    Ótimo o seu texto. Felicitações!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>