7 Comentários

  1. IRMA REGINA DE LA SANTA FAZ

    COMO APRENDI COM ESSA SUA TESE,GOSTO MUITO DE LER SOBRE ESTE ASSUNTO,MAIS UMA VEZ VOCE ESTA DE PARABENS.

    Responder
  2. Francisco Barbosa

    Preciso de esclarecimento. Da forma com que é exposto, à primeira vista, pareceu-me um tanto pessimista a análise. Mas poderia se afirmar que o homem é intrinsecamente, com perdão ao termo, “egoísta”? E a auto-aceitação de seu estado uma forma de manter ou desenvolver o que se afirma no texto o “bem” individual e/ou coletivo?

    Parabéns pelo texto.

    Responder

    • Francisco, acredito que “pessimismo” não seria o melhor termo para definir o que quis dizer com o artigo. O fato principal é a constatação de que o homem não é socialmente bom como muitos defendem, de que há nele, mesmo antes do nascimento da moral, da definição do que seria bom e do que seria mal, uma predisposição de garantir seu direito à vida. E para isso fará tudo. Mas aqui é que concordo com você no uso de outra palavra: egoísta. Mas não um egoismo como o encaramos na contemporaneidade. O homem para Hobbes pensa em si para garantir sua vida, sua existência. E para garanti-la fará o que for necessário, inclusive partir para a guerra ou, como enxergou ser melhor, fazer um contrato onde perde algumas coisas para ganhar muitas outras.

      Responder
  3. Wagner Castor.

    Experimento esta descriçao acima tão bem “formulada” desde o dia em que me entendi por gente, lá pelos meus nove ou dez anos de vida. Tudo acima se encaixa perfeitamente naquilo que considero sensato. Mas o ser humano esta sempre tentando se enganar. (Me refiro aqueles que tampam os olhos para não enxergar a realidade). Meus agradecimentos pelo artigo.

    Responder
  4. izabely

    Pode me esclarecer o que seria bem na verdade a guerra de todos contra todos ? Obrigada

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *