3 Comentários

  1. Maurício de Assis Reis

    o esclarecimento que faz todos os conteúdos passarem pelo crivo da razão (sendo esta representada pela dúvida, pelo método ou qualquer outro conceito) faz persistir seu programa autoconservador ao mesmo tempo em que cai como extremamente metafísico aos olhos do pensamento técnico, fruto de um contexto reificado em si mesmo. Procurar compreender o processo reificante no seio do programa do esclarecimento representa, para nossos tempos, ter esperanças na utopia de que o indivíduo ainda pode alcançar sua emancipação no todo administrado que se tornou a sociedade. Tarefa árdua, mas não impossível. Como diria Adorno, é a tarefa da filosofia dizer o que não se deixa dizer, o que, ao mesmo tempo, lhe mostra a dificuldade e os méritos de seu trabalho. Parabéns pelo início, e coragem para o caminho.

    Responder

  2. Bruno Viana Campos, vc foi intuitivo, simples e direto. Parabéns.

    Responder
  3. Jocivaldo Siqueira.

    Ter esperança na utopia de que o indivíduo ainda pode alcançar sua emancipação do todo administrado que se tornou a sociedade. Realmente é uma tarefa árdua. Vejo que no momento a emancipação do homem se torna cada vez mais difícil. O pensamento cientificista contenta-se com a organização da experiência, a qual se dá sobre a base de determinadas atuações sociais, mas o que estas significam para o todo social não entra nas categorias da “teoria tradicional”. Em outros termos, a teoria tradicional não se ocupa da gênese social dos problemas, das situações reais nas quais a ciência é usada e dos escopos para os quais é usada. Chega-se, assim, ao paradoxo de que a ciência tradicional, exatamente porque pretende o maior rigor para que seus resultados alcancem a maior aplicabilidade prática, acaba por se tornar mais abstrata, muito mais estranha à realidade (enquanto conexão mediatizada da práxis global de uma época) do que a teoria crítica. Esta, dando relevância social à ciência, não conclui que o conhecimento deva ser pragmático; ao contrário, favorece a reflexão autônoma, segundo a qual a verificação prática de uma ideia e sua verdade não são coisas idênticas. Assim, para a que resultados positivos na emancipação do homem pelo homem, onde o homem possa valer o que ele é e não o que ele tem, a necessidade de uma educação libertadora e abrangente se faz necessário e urgente para que o utópico passe a ser concreto, real. Feliz por participar e desde de já agradecido.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *