4 Comentários


  1. É necessário pontuar que, para haver a indústria cultural, é necessário que haja um sociedade de consumo. O mass media não se resolve sozinho em indústria cultural. Havendo uma sociedade do consumo, a transformação da cultura em mercadoria e da mercadoria em cultural, feita pela indústria cultural, se torna mais evidente e, desta forma, demonstra que a solução para “burlar” a indústria cultural não é “encarar de maneira mais séria” a ocupação do tempo livre, pois, simplesmente encara de maneira mais séria nos leva à um policiamento sem saber do que se está policiando.

    A indústria cultural é o aparelho de reprodução ideológica perfeito. Levar mais a sério a ocupação do tempo livre seria quase como reconhecer a transformação da cultural em mercadoria e da mercadoria em cultura. Eu creio que, antes disso, antes de levarmos a sério o nosso tempo livre, precisamos identificar a ideologia aí operante. O fato do tempo livre ser ocupado por atividades para o descanso do trabalho e que, em si, pedestalizam o trabalho, já que elas são o consumo daquilo que é trabalhado durante a semana, é um fenômeno social, porém, em âmbito individual, nós conseguimos encontrar sujeito que, mesmo ao agir desta maneira, não estão imersos na ideologia. Isso leva a um ponto que eu acho muito interessante: simplesmente existir já transforma o sujeito em reprodução da ideologia hegemônica.

    Eu creio que a questão deve ser: como se expressar de maneira onde a sua existência no corpo coletivo não seja a reprodução da ideologia dominante?

    Responder

  2. É muito dificíl ir de embate à cultura vigente! Podemos até nos sentir oprimidos pelo sistema, mas pouco ou nada podemos fazer! às vezes dói saber que em razão de até o lazer e a cultura hoje serem comercializados pela industria cultural, muitos deixam de participar da vida culta e dos moentos de lazer, mas o que podemos fazer? Gostaríamos de barrar este consumismo desenfreado, mas o que podemos fazer? Hoje para acompanharmos este mundo, se estivermos sem um celular em mãos ou antenados em um facebook acabamos por ficar sem acesso às infomrações e ao que está passando o mundo!
    Mas é isso preciso lutar paulatinamente, que um dia, a ordem dos fatores se inverte e chega onde queremos! Um sistema não se implanata da noite para o dia e também não será da noite para o dia que ele deixará de vir abaixo!

    Responder
  3. Jr. César

    Sugiro que leia o poema “EU, ETIQUETA” de Carlos Drummond de Andrade. Creio ser muito correlato ao seu texto (muito agradavel por sinal de se ler)

    Responder

  4. Gustavo Moreira Mendes, vc foi intuitivo, simples e direto. Parabéns.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *