1 comentário

  1. Artur Oliveira

    Bom artigo. Penso que deveria ter explorado mais o sentido ontológico dado ao fenômeno da morte.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *