6 Comentários

  1. Adelson

    Olá Philipe
    fiquei contente em ver sua publicação, desde já parabenizo os organizadores do blog.
    Continue se dedicando, escrevendo e transmitindo conhcecimento, escrever e deixar guardado não ajuda ninguém, por isso divulgue além de aumentar seus conhecimentos na pesquisa poderá contribuir com outras pessoas e fazer a diferença na sociedade.
    Felicidades futuro Bacharel.

    Responder
  2. edir

    oh, parabéns pelo texto, não tem nenhuma heresia não.
    fico muito feliz em ver que as reflexões filosóficas têm dado bons frutos!
    a dedicação faz com que nos aproximemos cada vez mais da perfeição, mesmo sabendo que jamais a alcançaremos!
    avante!!!

    abraços filosóficos!

    Responder
  3. Diacono Eliseu

    Parabéns pelo texto e pela organização do blog.
    O tema do niilismo nietzschiano não é dos mais fáceis, principalmente porque não se trata de uma criação sua. Ao contrário, ele é uma realidade existencial profunda, que marca a história do Ocidente. Nietzsche, pensador extemporâneo, com grande “visão” foi capaz de detectar que o “hóspede sinistro” não era fruto da sociedade da sua época, mas apenas consequencia de uma visão deturpada do mundo, que o dividia em duas realidades opostas e excludentes: o mundo sensível e o insensível. Isso criou graves sequelas, entre elas aquele, que segundo Nietzsche seria o pior dos males. Diante deste terrível quadro, ele nos aponta uma saída: só uma geração livre, forte e amante da vida, poderá superar o niilismo. Forte abraço, continue filosofando e amando a vida. Fiquei mto honrado em vc ter citado o meu trabalho monográfico sobre o tema em questão.

    Responder
  4. Samara

    Vcs filosofos são todos doidos sem ideia. mais doido ainda e quem estuda a filosofia.

    Responder
  5. Izak Campos

    Oi, boa noite.
    Li seu texto; que por vez é um belo trabalho, estou escrevendo um trabalho sobre um assunto relativo ao abordado no seu trabalho. Permitiria-me usar alguns trechos trechos para completar meu trabalho? Logo, será referenciado para que não haja plágio. Gostaria de acrescentar que seria enriquecedor para o meu projeto, se pudesse me fornecer mais materiais, alem dos citados neste trabalho. Segue meu e-mail pra um possível contato: izakcamposrodrigues@hotmail.com
    Obrigado!

    Responder
  6. Carlos Marques

    A oposição entre o natural e o supranatural vinha já com as ideias dos filósofos e teólogos maniqueus, que depreciavam completamente o mundo material criando uma oposição onde o sobrenatural seria a luz e o material seria as trevas. Este tipo de pensamento perdurou por muito tempo e ainda hoje no meio filosófico e sociológico parece permanecer vivo. Creio, por experiência pessoal, que o caminho para a cura do homem contemporâneo não esteja em ele abandonar o supranatural e se focar só no material, pois o efeito seria o mesmo( seria um maniqueísmo às avessas, onde o supranatural é depreciado em prol do material ). Creio que o caminho para o sentido seja o equilíbrio entre a vida mundana e a vida espiritual, entre aquelas verdades que se creem eternas e as temporalidades da vida. Acreditando ou não no Eterno, o ser humano necessita de uma base que dê sentido à sua vida.

    Por outro lado, se há quem acredite que basear o sentido da vida em algo supranatural é apenas auto-engano subjetivista, se nos voltarmos ao puramente material percebemos coisa parecida, pois a inconstância das coisas temporais e a falta de algo “fixo” que nos sirva de base para nossa vida faz parecer que tudo se trata de uma ilusão, e no final não sobra nada mais que o desespero. Vemos isto em nossa realidade, onde o subjetivismo, tanto religioso quanto ateu, domina. Vivemos no mundo do “eu acho”, onde não importa a verdade, pois crê-se que a mesma não existe, sendo a falta de crença na verdade a única verdade que impera!

    E vejo que entre pessoas espiritualistas e mundanas, o problema da falta de sentido se apresenta da seguinte forma:

    1) Há aquele homem espiritual que radicalmente se opõe ao mundo material( como um maniqueísta ), e por isso sofre, por causa da falta de equilíbrio, ainda que o supranatural seja base para sua vida. Isto porque ele apresenta uma visão pessimista e negativa a respeito do material, e acaba pondo a si mesmo sob um julgo pesado, acreditando estar sobre o julgo do espírito, mas na verdade está é sobre o julgo de um pensamento negativo. Por conseguinte, pode acontecer de ele entrar em colapso e então cair na descrença, “matando” o espiritual.
    2) Há aquele homem mundano que radicalmente se opõe ao mundo supranatural, e por isso sofre, pois na falta de uma base fixa para sua vida, resta-lhe o desespero, e restando-lhe o desespero o homem tenta suprir este vácuo de sentido entregando-se cada vez mais aos prazeres do mundo, e com isto destrói sua mente nos vícios e outras coisas, ou então entrega-se ao suicídio( neste ponto o homem já não tem esperança nem no espiritual nem no material, restando-lhe a morte ). Este também sofre da falta de equilíbrio que o faz cair no niilismo.

    O sentido da vida, humildemente creio eu, só pode ser encontrado uma vez que se tenha estabelecido um equilíbrio entre o mundano e espiritual, daí seus olhos estarão mais atentos e sua mente mais aberta para encontrar o caminho. Ou seja, é ter em mente que nem tudo no mundo é um “diabo a ser destruído” e que o usufruto de todos os prazeres mundanos como modo de preencher o vazio não levará a nada a não ser autodestruição. Tudo deve estar em equilíbrio e harmonia!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *